quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sua vida sob o olhar de sua interpretação.

Não faz muito tempo, estava eu almoçando, 14:15h aproximadamente, quando veio um "click" em minha mente, destes em que somos assaltados sem saber o porquê de sua origem, com a seguinte frase: "O mundo gira em torno do olhar interpretativo das pessoas". Por alguns segundos parei de levar até minha boca o saboroso espaguete à parisiense e começei a provocar a fome de entendimento acerca do Insight que tive.

Viaje comigo. Nossas escolhas e NÃO ESCOLHAS são, em grande parte, pautadas pelo "olhar do outro", e é assim para com tudo. Da escolha do tipo de automóvel, pelo calçado,  a roupa a ser usada, o lugar/ambiente a ser frequentado, os amigos com quem caminhar, o lugar para morar,  o tipo de penteado etc. Enfim, é interessante observar como a maioria esmagaradora das pessoas fazem suas escolhas ou deixam de fazê-las pautadas pelo OLHAR/APROVAÇÃO do outro.

Já parou para refletir como boa parte de nós carecemos do aval de um TERCEIRO para autenticar nossas escolhas?

Ok... mas o que está por trás desta sujeição? Qual o pano de fundo por trás das MINHAS ESCOLHAS e/ou NÃO ESCOLHAS?
Meu convite a você é de que apenas...  reflita!

Um caminho possível, dentre outros, a fim de pensarmos e entendermos o porquê desta postura, desta "sujeição", está o clássico... "O que irão pensar de mim?!"
Ual... como esta frase se tornou um clássico e o grande "super-ego" das decisões e não decisões das pessoas... "O que irão pensar de mim?!"

-"O que irão pensar de mim?" determina a AÇÃO ou OMISSÃO quando numa situação de necessidade ou não-necessidade; -"O que irão pensar de mim?" determina, para muita gente, se vale a pena ou não prosseguir em um relacionamento;
-"O que irão pensar de mim?" determina até se irei "sair bem na foto" ou não, se descobrirem onde moro, se meus Pais possuem escolaridade, se minhas roupas serão de grifes famosas, se meu sobrenome carrega algum legado de tradição familiar, se o próximo automóvel a comprar será um hatch ou um sedan, etc...
-"O que irão pensar de mim?" é uma lista que não tem fim! Poderíamos aqui, citar incontáveis situações nas quais, as pessoas se vêem no"O que irão pensar de mim?".

Gostaria de acrescentar mais um ingrediente nesta salada de reflexões acerca do tema  ESCOLHAS. O Medo! Mas medo de quê? Você já passou por alguma situação desconfortante por ser criticado em razão de alguma escolha realizada, uma postura tomada, decidida? Ninguém melhor que você para fazer esta avaliação!

Bom, naturalmente, um e outro poderá vir a discordar com tal linha de reflexão. A maioria, esmagadora, das pessoas haverá de dizer que suas escolhas são tomadas, tão somente,  pelo fruto da sobriedade e convicções internas. Será isso? Pense!

Lembro-me de quando garoto,  ao apresentar alguma pretendente ao namoro a alguns amigos da escola ou rua onde morava, a pergunta que se seguia era: "E aí, o que você achou?". Se você já foi adolescente sabe como as coisas "funcionam" com a maioria da moçada. Se ainda é, já deve ter visto alguém agindo assim. Para boa parte de nós, naquela idade, a pergunta vinha carregada de uma vaidade pessoal afim de que, no mínimo, os outros pudessem dizer: "é....você está bem heim!" rsrsrs... A gente ri porquê são coisas de menino.
Agora, o que me assusta HOJE é ver tais posturas de menino em muitos, pretensos, ADULTOS. Prova de que idade cronológica nem sempre é prerrogativa de maturidade!

É bom que se deixe claro, que, não estou aqui fazendo apologia ao não coleguismo, ao "cada um por sí" ou "não confie em ninguém". Afinal, amigo também é para isso...  DIZER A VERDADE.

 Mas a questão que desejo abordar com você não é esta. O que eu quero pensar com você é: "O mundo gira em torno do olhar interpretativo das pessoas. E você, gira em torno de quê?"

Por falar em INTERPRETAÇÃO, naturalmente você já deve ter INTERPRETADO que quando falo de mundo, não estou me referindo ao que CONTÉM no mundo como carros, casa, cavalo, avião, bolsa etc. 

O tema possui diversos desdobramentos interessantíssimos para pensarmos. Desdobramentos estes em que deixarei para que você mesmo pense, reflita e encontre seus próprios caminhos.

Aliás, você saberia dizer porque de fato escolheu as escolhas que já fez em sua vida?
Que tal pensar um pouco?!
Depois de tantas elocubrações, restou a mim terminar de devorar o então saboroso, não mais tão quentinho, espaguete à parisiense. Ou você se esqueceu que essa "viagem" toda surgiu quando eu comia?
Meu abraço forte e até nossa próxima viagem interior,

Jackson Garcia - Psicanalista Clínico
http://psicanalistajackson.blogspot.com
Nov/2009